Progressismo brasileiro, onde estiver, levante-se!

O progressismo que está em todos os lugares – pessoas, partidos, meios de comunicação, sindicatos, empresariado, funcionalismo estatal, forças armadas, judiciário, legislativo, executivo, ONGs, movimentos sociais – deve se levantar e projetar luz nas trevas, verdade na falsidade, vida na destruição – para continuar a Revolução Brasileira iniciada em 2003

Ilustração de "Os Miseráveis", um símbolo progressista

Ilustração de “Os Miseráveis”, um símbolo progressista

É verdade que o momento político das eleições de 2014 foi um certo mau-humor com o governo progressista em vigor desde 2003 no Brasil, especialmente com o partido que vem encabeçando estes governos, o Partido dos Trabalhadores. Entretanto, também é verdade que o que se seguiu à eleição, com várias manifestações de rua em que muitxs pediam a volta de uma ditadura militar, além da eleição de um presidente da Câmara de Deputados notadamente conservador, e a de tentativa de setores que perderam as eleições de 2014 de chegar ao poder por qualquer outro meio, acabou assustando grande parte da população, que está percebendo cada vez mais que por mais que as forças progressistas tenham seus defeitos, a volta do conservadorismo ao poder só agravaria os problemas. Assim, após a onda conservadora, é hora da onda progressista. Como? Com um progressismo renovado. Renovado como? Em uma Frente Progressista.

Apesar de alguns partidos serem mais progressistas que outros, o progressismo está em todos os partidos políticos, assim como em todas as instituições e todas as pessoas, em diferentes proporções. Assim, a Frente Progressista não precisa incluir somente partidos, mas também todxs que se identificarem com o progresso do país rumo a acabar com a pobreza (porque com a fome já acabamos) e virar um país de classe média, já que países ricos não existem (pois um país não pode ser rico se seu povo é de classe média, como o da França, da Alemanha e do Japão, por exemplo).

O Brasil vem caminhando para se tornar um país de classe média a passos largos desde o início da Revolução Brasileira, iniciada em 2003. Quem tiver dúvidas sobre se é mesmo uma revolução, basta ver a evolução da pirâmide sócio-econômica brasileira desde 2003. Não é um período de ajuste como este de 2015 que vai deter este avanço histórico, desde que as forças progressistas continuem no governo federal pelo tempo que povo brasileiro quiser.

As tentativas desesperadas do conservadorismo de voltar ao poder de qualquer jeito estão claramente começando a sair do controle do conservadorismo. A estratégia da presidenta Dilma de não aceitar pagar o preço que no momento da eleição de 2015 para a presidência da Câmara de Deputados teria que pagar para que o resultado tivesse sido diferente do que foi, parece estar surtindo efeito. O conservadorismo veio à tona e o povo não gostou. Agora, a onda progressista vem aí. E não somente vinda do PT, pois ela é muito maior que o PT: a onda progressista vem de dentro de todos os partidos, instituições, empresas, pessoas, entidades, ONGs, blogues, comediantes, jogadores de futebol, juízes. A onda progressista é o novo momento político que se aproxima vindo de dentro de nós. Clique aqui para se tornar um colaborador financeiro do culturapolitica.info.