Ajude a evitar o impeachment, fale com @s deputad@s

Agora mais do que nunca, o diálogo entre @s integrantes da Câmara d@s Deputad@s e a população deve se estreitar, para que sejam o mais representativ@s possível na votação do impeachment, especialmente a última votação, em que será necessário que 172 deputad@s não aprovem o impeachment para que Michel Temer não assuma a presidência encabeçando um governo superconservador, pois representará não o conservadorismo do voto popular, mas o conservadorismo da Câmara d@s Deputad@s

Agora que se aproxima a hora da verdade, ou seja, que é praticamente uma certeza que a votação final sobre o impeachment realmente vai ocorrer nas próximas semanas ou em poucos meses na Câmara d@s Deputad@s, surgem mobilizações de todos os tipos por todo o país: manifestações de rua, manifestos de intelectuais, abaixo-assinados de Internet, posicionamento dos partidos políticos, declarações de artistas, ações jurídicas de entidades e de cidadãos, etc. Entretanto, no frigir dos ovos, quem realmente vai apertar o botão e escolher entre o impeachment da Dilma ou não vão ser @s deputad@s federais. Então, creio ser extremamente importante não negligenciar a opinião d@s deputado@s e a utilidade do diálogo com essas pessoas, que aliás devem estar sendo submetidas a pressões enormes de interesses conservadores. O progressismo é uma força que vem de dentro porque é livre, e tenho convicção de que muit@s deputad@s, se puderem votar livres, não vão votar pelo impeachment.

A escolha do impeachment não é simplesmente entre Dilma e Temer, pois Temer não chegaria à presidência (como chegou à vice-presidência) com a mesma coalizão de Dilma; pelo contrário, chegaria à presidência por uma coalizão não só conservadora, mas superconservadora, especialmente por não ser uma coalizão conservadora avalizada pelo voto popular (como teria sido se Aécio tivesse vencido Dilma), mas avalizada pela Câmara d@s Deputad@s, com toda a deficiência de representatividade que ocorre em uma eleição presidencial indireta e inesperada para grande parte do povo brasileiro, que supunha que quem vencesse o segundo turno de 2014, fosse Dilma ou Aécio, governaria por quatro anos.

Então, você, que prefere que Dilma fique na presidência em vez de Temer, pode tomar uma atitude extremamente útil para defender o progressismo, especialmente se for uma atitude tomada em massa: pegue o telefone, entre no Facebook, mande um e-mail, escreva uma carta, procure pessoalmente, mas dê um jeito de conversar com @s deputad@s que considerar adequado conversar para diálogar com el@s, ouvir suas opiniões e que el@s ouçam as suas. Troque ideias com el@s, e se não conseguir trocar ideias com el@s, pelo menos expresse os melhores argumentos que você conseguir. Claro que há milhões de interesses conservadores afetando @s deputad@s, e el@s vão levá-los em conta, pois fazem parte do mundo real. Mas também vão levar em conta o amor, o afeto, o carinho e o respeito com que forem tratad@s. Vamos falar com el@s! Clique aqui para se tornar um colaborador financeiro do culturapolitica.info.