Passada a eleição, como fazer política na nossa vida diária?

Milhões de pessoas participaram intensamente das discussões da campanha eleitoral; e agora, como quem não ganha para fazer política pode continuar a fazer política?

Foto1

Durante a campanha eleitoral, milhões de pessoas no Brasil se lançaram às redes sociais e às ruas para participar da disputa de ideias, sem receber por esta atitude dinheiro dos candidatos, candidatas e partidos que defendiam em discussões com a família, amigos e conhecidos. Como além dessa atividade política durante a eleição essas milhões de pessoas tinham que se dedicar também a suas atividades profissionais, agora, passada a eleição, a intensidade de sua atividade política também diminuiu muito. Existe a impressão de que, agora, a política volta a ser protagonizada basicamente por quem recebe salário pra isso, sejam políticos eleitos, funcionários estatais de alto escalão, assessores, funcionários de partidos ou mesmo jornalistas políticos dos meios de comunicação que podem pagar por esse trabalho.

Mas e as milhões de pessoas que participaram muito ativamente na campanha eleitoral? Não haveria alguma forma de, mesmo não recebendo dinheiro para fazer política, continuarem a influenciar o ambiente político nacional e mundial? Sim, há. Claro que não na mesma intensidade que ocorreu durante a campanha eleitoral, que foi um esforço concentrado. Mas na nossa vida diária, temos muitas oportunidades de nos comportarmos politicamente ativos. E mais: algumas dessas atitudes, se tomadas de forma massiva, são até mais influentes do que as atitudes daqueles que ganham dinheiro para fazer política. Claro que um grupo não substitui o outro, ou seja, é preciso que haja quem ganhe dinheiro para fazer política, mas também é preciso que haja quem faça política sem ganhar dinheiro. Como?

Em primeiro lugar, é muito importante escolher bem nossas fontes de informação. Existe no Brasil uma estrutura montada especialmente durante a ditadura militar (que durou de 1964 até os últimos anos da década de 1980), que se refere a concessões e redes de televisão e rádio, e também aos meios de comunicação escritos que a ditadura permitiu que continuassem existindo. Tendo consciência dessa estrutura, fica mais fácil perceber seu intenso conservadorismo, havendo então a alternativa de procurar fontes de informação mais progressistas. Nesse contexto, apesar de haver alguns meios de comunicação fora da Internet relativamente progressistas, a Internet, pela facilidade, variedade e baixo custo de acesso, apresenta uma extraordinária alternativa para quem quiser procurar meios de comunicação que possam apresentar uma visão de mundo muito mais realista. Com isso, os usuários desses meios de comunicação da Internet podem usar as redes sociais para participar da vida política do país e do mundo, e não só compartilhando conteúdo dos meios de comunicação, mas também produzindo conteúdo e análise.

Que outra forma há para este tipo de participação política? A economia e o trabalho diário. Todo mundo, basicamente, precisa de dinheiro para viver. Assim, não há como fugir da necessidade de ganhá-lo. A forma como o ganhamos tem uma considerável influência política, que é especialmente grande para atitudes tomadas em massa. Assim, na hora de escolher um emprego ou uma atividade econômica autônoma, podemos levar em conta os efeitos que isso traz para a sociedade em geral. Por exemplo, podemos prestar atenção às consequências das atividades das empresas às quais prestamos serviços, seja como empregados ou como fornecedores. Se trabalhamos para uma empresa ou com uma empresa, estamos ajudando a que ela chegue aos seus objetivos. Precisamos assumir nossa cota de responsabilidade por isso.

Uma atitude análoga a essa, quanto a ganhar dinheiro, pode ser tomada quanto a gastar dinheiro, ou seja, quando somos consumidores. Quando damos dinheiro a uma empresa ou uma pessoa por um serviço ou produto, também estamos ajudando-as a chegar a seus objetivos, e também precisamos assumir nossa cota de responsabilidade por isso. Assim, entre ir a uma lanchonete que paga salários extremamente baixos e ir a uma que paga um pouco melhor, podemos escolher esta última, desde que os preços não sejam exageradamente altos. No prédio em que moramos, podemos escolher que o condomínio não pague salário mínimo para o pessoal da limpeza, e sim pelo menos um pouco mais (o que a reunião de condôminos permitir) e o fato do serviço ser terceirizado não é desculpa, pois supostamente é possível negociar com a empresa terceirizada. Ao abrir a conta em um banco, podemos conseguir não achar que é tudo igual, mas perceber as diferenças, às vezes pequenas, é verdade, mas reais, que justificariam ser cliente de um ou outro banco, levando em conta atitudes políticas e econômicas que estes bancos tomaram inclusive durante a campanha eleitoral, ou até mesmo em períodos ditatoriais do país. O mesmo vale para empresas de telecomunicação ou montadoras de carros, por exemplo. Afinal de contas, se a empresa teve um determinado comportamento político e econômico, uma pessoa se tornar cliente dela significa contribuir para que ela chegue a seus objetivos. As pessoas, quando são consumidoras, devem então assumir sua parte de responsabilidade em que as empresas atinjam esses objetivos, que muitas vezes são inclusive políticos.

Enfim, estes são apenas alguns exemplos de que a política é também algo do dia a dia, inclusive das nossas relações econômicas como pessoas. Tomar consciência de que as escolhas que fazemos quanto ao nosso trabalho, as nossas finanças e quanto aos meios de comunicação que usamos também têm influência política ajuda a que, agora que as eleições passaram, continuemos a influenciar a política da forma que podemos, do local em que estamos na estrutura comunicacional e produtiva. Da mesma forma, perceber que lugar ocupam na estrutura econômica os meios de comunicação fora da Internet nos ajuda a perceber que é exatamente na Internet que se localiza a maior janela para a livre troca de ideias e a circulação da informação com a mínima influência possível de filtros ligados a interesses conservadores. Clique aqui para se tornar um colaborador financeiro do culturapolitica.info.